Nos últimos dias temos visto uma verdadeiro alvoroço de postagens nas mídias sociais sobre o show de Gil e Caetano em Israel. O movimento BDS, o qual defende a aplicação de boicotes, desinvestimentos e sanções contra Israel não conseguiu impedir que a famosa dupla do Brasil se apresentasse em Tel Aviv. O show foi um sucesso.

As pessoas que são criticas de eventuais atitudes do governo de Israel tem claro o direito de emitir sua opinião e de protestar sempre e quando respeitem o direito dos outros. Assim funciona uma democracia decente e assim que se espera de pessoas esclarecidas e responsáveis.
Porém o movimento BDS não acredita em dialogo, não acredita em aproximação, não acredita em Paz.

Com o aumento do terrorismo radical islâmico ao redor do mundo, a existência do ISIS ( Daesh) e outros grupos ameaçam de maneira preocupante a integridade e soberania de muitos países da região.         A “amizade” entre Israel e os países árabes “moderados” aumentou relativamente muito nos últimos anos. Interessante notar que em 1968, após a guerra dos 6 dias, a liga árabe foi ao Sudão declarar os três famosos “nãos”: Não a negociações, não ao reconhecimento e não a Paz com Israel.

Carro Saudita pelas ruas de Israel

Carro Saudita pelas ruas de Israel

Hoje em dia, passados quase 50 anos, os países árabes não aderem ao BDS, visitam Israel, tem reuniões secretas, desenvolvem relações e em muitas ocasiões se deixam até fotografar. Os países árabes entenderam que Israel não é o problema do Oriente médio, entenderam que entre eles e o Estado Judeu há muito mais interesses do que se imaginava.

Os países árabes conseguiram enxergar Israel diferente e 50 anos depois dos ” nãos” no sudão, muitos “sim” são entonados em varias capitais do Oriente Médio. No caso, o BDS, os atuais defensores e adeptos dos “nãos”, estão agora preenchendo o lugar que os países árabes estiveram. Assim como os países árabes estiveram do lado errado da história na década de 60, o BDS hoje segue os mesmos trajetos e possivelmente terá o mesmo fim.

Quem sabe num futuro, o amigo Saudita no carro não explica aos amigos do BDS o lado errado da história que os mesmos estão percorrendo.